8 de out de 2014

INSTITUIÇÃO DE NOVOS ACÓLITOS NA PARÓQUIA AGOSTINIANA RECOLETA SÃO JOÃO BATISTA – MUQUI-ES.

Paróquia São João Batista
Muqui-ES



        No dia 27 de setembro de 2014 teve mais um acontecimento forte na Paróquia São João Batista de Muqui-ES. Cinco jovens foram apresentados à comunidade e ao Pároco, Frei Gracione Augusto para que fossem instituídos como acólitos, auxiliando assim no altar do Senhor pela disposição de servir à Igreja.
 

Os acólitos
        Os acólitos são os aqueles que servem ao altar. É por isso que, genericamente, também são chamados servos.
        Podem ser instituídos mediante um rito litúrgico próprio pelo qual recebem um verdadeiro ministério, antigamente chamado de ordem menor. São esses acólitos instituídos que mais propriamente podem ser denominados acólitos. São os acólitos por antonomásia. Para diferenciá-los dos demais servos, acólitos não-instituídos, ou acólitos eventuais, sempre usaremos, nesta obra, a expressão “acólito instituído” para designá-lo.
        O acólito instituído é ministro extraordinário da Comunhão Eucarística, podendo, nos casos permitidos pela lei canônica, conforme veremos adiante. Tem precedência sobre quaisquer outros leigos nesse ofício.
        Todos, instituídos ou não, são fundamentais para a uma liturgia bem feita e, pois, precisam ser formados para melhor desempenharem seu papel. Tanto a Missa simples como a solene podem ter acólitos, mas em nenhuma é estritamente obrigatório. Evidentemente, se mesmo na Missa simples é conveniente que exista ao menos um acólito, com muito mais razão na Missa solene, por sua própria natureza.
        Ordinariamente, os acólitos participam da Missa no presbitério. Todavia, especialmente em uma Missa simples, o acólito não-instituído e que esteja sem paramentos, pode permanecer na nave ou no coro e só adentrar o presbitério para ajudar o presidente na Preparação das Oferendas e na Purificação depois da Comunhão. Sempre, entretanto, mesmo não-instituído e sem paramentos, em Missa simples ou solene, pode permanecer em uma cadeira ao lado do presidente. Nas Missas com vários acólitos, alguns deles estarão mais próximos do presidente e outros ocuparão cadeiras na sedília ou então no coro.
        Estritamente falando, os acólitos ajudam no altar, oficiando, se forem instituídos, nas funções reservadas, segundo o Missal anterior à reforma litúrgica, aos antigos subdiáconos: servir o diácono, preparar os vasos e o altar etc. Em um grupo de acólitos, ocupa a liderança dentre eles um que seja instituído, se houver. Também é preferível que o cerimoniário, se for acólito, seja um instituído.
        Além dessas funções, os acólitos podem desempenhar outros papéis na liturgia. Nesse caso, se ocuparem exclusivamente um só desses papéis, recebem nomes especiais:
 ◦se leva a cruz processional, é o CRUCIFERÁRIO;
 ◦ se leva as velas, é o CEROFERÁRIO ou LUCIFERÁRIO;
 ◦ se leva as tochas na Missa solene, é o TOCHEIRO, mas também pode ser chamado de ceroferário;
 ◦ se leva e usa o turíbulo, é o TURIFERÁRIO;
 ◦ se leva a naveta com o incenso, é o NAVETEIRO.
        Os acólitos podem também levar os livros litúrgicos, especialmente o Missal e o breviário.
        Também, na Missa presidida pelo Bispo, especialmente se for pontifical, alguns acólitos servem diretamente a ele, carregando os livros litúrgicos, a mitra e o báculo, com um véu branco nas mãos chamado vimpa.
        Se não houver acólito instituído, outros varões leigos ocupam o seu lugar e se desincumbem de suas funções. São os servos, estritamente falando, ou acólitos eventuais.
        Os acólitos eventuais podem ser estáveis, quando, então recebem uma investidura do pároco ou reitor de igreja, celebração esta que não se confunde com a instituição pela qual o Bispo dá a algum varão o ministério próprio do acolitato.
        Todos os atos executados pelos acólitos não-instituídos podem ser feitos pelos coroinhas, mormente quando não estejam presentes ministros mais velhos. Ou seja, podem eles ser turiferários, cruciferários, ceroferários, tocheiros, levar os livros, servir ao Bispo, ajudar no altar; só não podem distribuir extraordinariamente a Eucaristia. Geralmente, em uma Missa na qual sirvam acólitos e coroinhas, os primeiros desempenham funções que requerem mais cuidados enquanto as crianças os ajudam ou carregam objetos menos “perigosos”, adequados à sua própria condição.
        O cerimoniário ou mestre-de-cerimônias é quem coordena todas as ações cerimoniais durante a Santa Missa e outros atos litúrgicos. Geralmente é um acólito instituído ou um sacerdote que não esteja celebrando a Missa. Sempre varão, pois, ainda que não-instituído, é um acólito (quando não um clérigo). Veste batina com sobrepeliz, ou então a alva com o cíngulo. A sua batina, em vez de preta, pode ser violeta, para diferenciá-lo dos demais acólitos. Mesmo que os demais acólitos vistam alva e cíngulo, é bom que o cerimoniário, ao menos, vista batina (seja preta, seja violeta) e sobrepeliz, para se destacar em sua importante função litúrgica.
Na Procissão de Entrada da Missa simples, vai pouco à frente do sacerdote e atrás dos demais ministros, e na Missa solene entre os leitores instituídos e clérigos em veste coral (ou, na sua falta, dos que andam imediatamente depois).
Cf. IGMR, 100.
Por Rafael Vitola Brodbeck
 

Frei Ricardo, OAR
 

Veja algumas fotos da celebração:
 



 



Saiba mais acessando a nossa WEB OFICIAL:

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário