17 de nov de 2014

MILAGRE DA ÁGUA: FESTA DE SANTA JUDITE EM CASTELO-ES.

Paróquia Nossa Senhora da Penha
Castelo-ES

Frei Mário em procissão à fonte


Em meados do século XX, várias famílias de imigrantes italianos chegavam ao sul do Estado do ES. Entre estas famílias, encontravam-se a FAMÍLIA LUZORIO, que passaram a habitar no interior do município de Castelo-ES. No entanto, o local onde foram habitar tinha uma grande escassez de água. Como a fé em Deus e pela intercessão de Santa Judite, brotou naquele lugar uma fonte de água, um verdadeiro milagre de Deus. Por isso, até hoje, todos os anos é celebrada naquele local as maravilhas de Deus pela intercessão de Santa Judite. Neste ano de 2014, a celebração eucarística foi presidida pelo pároco de Castelo, Frei Mário no último domingo passado (16-11).
  
Santa Judite - Comemoração litúrgica: 29 de junho.
Foi por volta do ano 1100 que Judite, filha do rei da Inglaterra decidiu abraçar a fé cristã na prática da solidão e intensos sacrifícios por amor a Nosso Senhor.
Tudo começou quando Salomé, parenta próxima do rei, a Deus deu seu amor, decidindo abandonar a corte real. A sua formosura era o reflexo das belas virtudes que lhe adornavam a alma.  Duas empregadas dedicadas e fiéis, notando na senhora mudança muito grande, e querendo saber os motivos de seu recolhimento, a interpelaram. Salomé com suas santas argumentações, acabou despertando nelas igual desejo de pertencer só a Deus e de se afastarem do mundo. De comum acordo e sem se despedir de pessoa alguma, empreenderam uma viagem à Terra Santa, onde com muita devoção visitaram os Santos Lugares.
Salomé, que acompanhava o divino Esposo, no caminho da dor, até o monte calvário, teve de percorrer ainda outro caminho, mais doloroso para ela. Na viagem de regresso perdeu, pela morte, as fiéis companheiras. Firme, porém, era-lhe o propósito de não voltar mais à corte real da Inglaterra, e levar uma vida pobre e desconhecida no estrangeiro. Através de muitas dificuldades tinha chegado a Ratisbona, onde profundamente se aborreceu de alguns galanteios à sua formosura. Humilhando-se diante de Deus, em fervorosas preces pediu que lhe tirasse os atrativos tentadores. Esta oração foi ouvida. Acometida de uma enfermidade, em poucos dias perdeu a vista. Além da cegueira, Deus mandou-lhe uma doença que se parecia com a lepra e que a atormentou por algum tempo. Hospedada em casa de uma piedosa senhora, lá poderia ter ficado, se o desejo insaciável de penitência não lhe tivesse reclamado constantemente uma vida mais retirada. O abade de Niederaltaich, tendo notícia da vida santa de Salomé, convidou-a a mudar de residência para perto do convento. Salomé obedeceu a ordem de seu diretor e foi ocupar a cela que o mesmo mandara construir para seu uso, nas adjacências do mosteiro.
O rei da Inglaterra, alarmado com a excessiva demora da parenta, fez repetidas pesquisas, para descobrir-lhe o paradeiro. A Princesa Judite, sua filha, que tinha enviuvado, resolveu ir à Terra Santa, para onde levou grande equipamento, animada de esperança de encontrar a querida Salomé. Na volta, passando pela Baviera, descobriu o lugar onde ela morava. Grande foi o contentamento de ambas. Mas em vez de voltar à Inglaterra, resolveram terminar os dias na solidão, servindo a Deus em oração e praticando penitência.

Reflexões:
Se não podemos imitar Santa Judite e Santa Salomé no heroísmo e sair também da nossa pátria, para no estrangeiro dedicar a Deus uma vida de sacrifícios e de oração, devemos admirar a prontidão com que seguiram a inspiração, que do céu lhes veio, de abandonar tudo e morrer na solidão. Achando-nos, como nos achamos, no caminho da eternidade, cuidemos de não nos afastar do caminho reto e não nos perder, no meio de perigos e contrariedades. Louvável, se não sempre exequível, é o desejo de visitar os Santos Lugares da Palestina. Na Santíssima Eucaristia temos mais que os Santos Lugares. Cada Comunhão confere-nos maiores graças, que a visita aos lugares da Terra Santa. O Santíssimo Sacramento é Deus Nosso Senhor em pessoa; nele encontramos a Carne, o Sangue, a humanidade e a divindade, o corpo e a alma de Jesus.

In.: Na luz Perpétua, 5ª. ed., Pe. João Batista Lehmann, Editora Lar Católico - Juiz de Fora - Minas Gerais, 1959.
Edição para o Blog: Frei Ricardo, OAR

Veja algumas fotos das comemorações:














Saiba mais acessando a nossa WEB OFICIAL: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário